Feeds:
Posts
Comentários

Archive for fevereiro \24\UTC 2008

Oscar, etc

Filme: Onde os Fracos Não Têm Vez

Diretor: Joel e Ethan Coen (Onde os Fracos Não Têm Vez)

Roteiro Original: Juno

Roteiro Adaptado: Onde os Fracos Não Têm Vez

Ator: Daniel Day-Lewis (Sangue Negro)

Atriz: Julie Christie (Longe Dela) Marion Cottilard (Piaf – Um Hino ao Amor)

Ator Coadjuvante: Javier Bardem (Onde os Fracos Não Têm Vez)

Atriz Coadjuvante: Tilda Swinton (Conduta de Risco)

Fotografia: Onde os Fracos Não Têm Vez  Sangue Negro

Montagem: O Ultimato Bourne

Direção de Arte: Sangue Negro Sweeney Todd

Figurino: Desejo e Reparaçã Elisabeth

Maquiagem: Piaf – Um Hino ao Amor

Trilha Sonora: Desejo e Reparação

Canção Original: Once

Edição de Som: Transformers O Ultimato Bourne

Mixagem de Som: Transformers O Ultimato Bourne

Efeitos Especiais: Transformers A Bússola de Ouro

Filme Estrangeiro: Os Falsários

Animação: Ratatouille

Read Full Post »

I’VE GOT PONG!

 

51do3ebesrl_ss500_.jpg

(atenção, o texto abaixo contém spoilers sobre o final de Life on Mars)

 

Gene Hunt está de volta! A BBC aproveitou o sucesso de Life On Mars e do fantástico personagem de Philip Glenister e encomendou uma sequência a toque de caixa (‘toque de caixa’, para a TV inglesa, é produzir 8 episódios em 10 meses, vejam bem). Se nosso elo com a Manchester de 1973 era Sam Tyler (John Simm), agora o papel é desempenhado pela bela Alex Drakes (Keeley Hawes), uma policial que trabalha com profiles que estudou a fundo o caso de Tyler, que se suicidou em 2006. (mais…)

Read Full Post »

Melhores de 2007 – Cinema

(Hora de deixar de ser desleixado com o blog. Ou não.)

E o melhor filme de 2007 é…

ratatouille-banner.jpg

(Ratatouille; dir: Brad Bird; 2007)

Não que seja uma surpresa. Uma parcela razoável de blogs o considerou o melhor filme do ano passado. Os motivos são mais que conhecidos: diversão de primeira linha, uma reflexão poderosíssima sobre a crítica de arte (sobre emissores e receptores dela, vale dizer) e uma técnica não menos do que impecável. E tudo embalado pela genial trilha do OSCAR NOMINEE (sim, eu encho a boca pra dizer) Michael Giacchino. Obrigado por existir, Brad Bird. O bom cinema precisa de gênios como você.

E o meu top 20 de melhores filmes lançados comercialmente no Brasil em 2007 ficou assim:

 

01. Ratatouille (Brad Bird)

02. Ponte Para Terabítia (Gabor Csupo)

03. Borat (Larry Charles)

04. A Rainha (Stephen Frears)

05. O Hospedeiro (Joon-ho Bong)

06. O Ultimato Bourne (Paul Greengrass)

07. Quebra de Confiança (Billy Ray)

08. Zodíaco (David Fincher)

09. Tropa de Elite (José Padilha)

10. Lady Vingança (Chan-wook Park)

11. Santiago (João Moreira Salles)

12. Ligeiramente Grávidos (Judd Apatow)

13. Superbad (Gregg Mottola)

14. Sob Suspeita (Sidney Lumet)

15. Império dos Sonhos (David Lynch)

16. Viagem a Darjeeling (Wes Anderson)

17. Sunshine (Danny Boyle)

18. A Conquista da Honra (Clint Eastwood)

19. O Assassinato de Jesse James (Andrew Dominik)

20. Os Donos da Noite (James Gray)

 

Destaques do ano:

Diretor: Brad Bird Joon-ho Bong (O Hospedeiro) – Bong é tipo assim o Spielberg coreano. O filme dele é coméda, é aventura, é crítica política. Tudo com imagens animais e um timing assombroso. É dele também o maravilhoso Memórias de um Assassino, um dos melhores policiais dos últimos anos.

Roteiro: Ratatouille Borat – pra quem não olha com muita atenção, pode parecer uma simples sucessão de esquetes, mas a costura entre elas é acima da média. E se considerarmos que as réplicas de Sacha Baron Cohen às reações de suas vítimas estavam de alguma forma no papel (o script foi indicado ao Oscar, ou seja, supõe-se que boa parcela dos tantos diálogos supostamente improvisados já estava roteirizada), o grau de inteligência aqui é muito acima da média.

Ator: Chris Cooper (Quebra de Confiança) – na melhor atuação de sua carreira (e olha que sou FÃ dele em Beleza Americana), Cooper cria um personagem dos mais complexos, naquele que foi o melhor thriller do ano passado (e provavelmente o melhor filme de 2007 que ninguém viu, infelizmente). Ah, não caí na tentação de eleger Wagner Moura, mas ele está quase tão bem quanto Cooper.

Atriz: Helen Mirren (A Rainha) – precisa comentar?

Atuações Coadjuvantes – eu olho e olho as minhas listas e não vejo nenhum nome que me faça ferver o sangue de felicidade, talvez só o do Michael Sheen (Mirren não poderia ter um parceiro de cena mais competente). Mas como a função dos destaques é ‘distribuir a riqueza’, faz de conta que eu não disse a frase anterior.

Aspectos Técnicos – empate entre Transformers e O Ultimato Bourne – o primeiro teve a melhor ‘barulheira’ do ano passado (saí do cinema com dor de cabeça) e merece ganhar o Oscar nas duas categorias de som. E e o filme não é ruim não. E Bourne é a prova de que só Paul Greengrass sabe filmar a 120 cortes por minutos e ser visualmente arrebatador (fuga pelos telhados? perseguição de carro no final?).

Trilha Sonora – Ratatouille O Assassinato de Jesse James – grande trilha, vinda de dois compositores que eu honestamente desconhecia. A última faixa é particularmente tocante (assim como o final do filme).

 

Read Full Post »