Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Musas’ Category

– Poucas coisas são tão lindas quanto o sorriso de Allison Mack. Ponto.

– Notícias ruins pra quem gosta de Heroes. Tenho a impressão de que toda a primeira temporada será um grande primeiro ato. Ela servirá pra apresentar bem os personagens e situações, etc. Já passamos de um terço dos episódios e o quebra-pau parece bem distante. E a Google-girl é uma gracinha.

– Scofield chorando no confessionário? Hmmmmmmmmmmmmm. Mas o resto do episódio foi bom. Vamos ver se nessa reta final de fall season a coisa engrena de vez para Prison Break.

– Altas emoções no episódio dessa semana de Dexter. Com direito a revelação da identidade do suposto Ice Truck Killer. Hall é nada menos do que fantástico. Temos um provével vencedor de Globo de Ouro.

– Comecei a ver Sports Night. Que coisa boa aquilo! Aaron Sorkin é ídolo.

Anúncios

Read Full Post »

Loved by Mary Lane…

Reefer Madness (dir: Andy Fickman; 2005)

Década de 30. Surge uma nova droga nos EUA, a marijuana. Pouco tempo depois surge um filme com o objetivo de impedir o avanço da substância. Com o nome de Reefer Madness, ele conta a trágica história de um casal, que caiu em desgraça graças ao uso desregrado da erva. O exagero e o melodrama são usados como estratégias para apavorar os pais da época (o título alternativo era Tell Your Childrem!). Até hoje existe mistério sobre quem patrocinou o filme. Uns dizem que foi a Igreja. Já outros atribuem o título ao magnata do jornalismo William Randolph Hearst (aka Cidadão Kane).

Como era de se esperar, a produção caiu no esquecimento. Na década de 70, o filme foi redescoberto e passou a ser exibido nas famosas sessões da meia-noite, espaço dedicado à filmes cult e/ou camp. (naquela época, o exagero da propaganda anti-maconha de Reefer já saltava aos olhos).

Chegando aos dias de hoje: uma versão teatral do filme fez sucesso na off-Broadway. A peça, um musical, faz piada em cima do absurdo de sua fonte. Com o sucesso, uma versão em forma de filme era questão de tempo. Ela saiu do papel e foi ao ar pelo Showtime (que também é a emissora de Huff e Weeds, o que garante o título informal de canal mais chapado dos EUA) em 2005.

Assim como o original, o filme é sobre a trágica história de Jimmy Harper e Mary. Aproveitando-se do material, o musical investe pesado na ironia, como na seqüência em que o narrador do filme (Alan Cumming) discute com um pai preocupado (a trama do casal é um filme-dentro-do-filme) sobre como a “Maconha é a droga mais perigosa de todas! Mais até do que a heroína!”. Ou as diversas ocasiões em que William Hearst é citado (“Os dados foram obtidos através de fontes confiáveis: os jornais do Sr. Hearst!”). Diversos personagens, incluindo o presidente Franklin Roosevelt (Cumming, novamente) aparecem fumando cigarros comuns, como se não fosse nada demais.

Todas as atuações devem ser colocadas dentro do contexto do filme. Caricatas e exageradas. Christian Campbell interpreta Jim Harper da forma mais sonhadora possível. Já Kristen Bell vive uma personagem que é quase uma antítese de sua Veronica Mars: ingênua e fútil. O filme ainda contém outros personagens como o traficante de Steven Weber ou o junkie (divertidíssimo) de John Kassir. O filme ainda tem a presença de Jesus. Mas não vou falar demais senão estraga a surpresa de quem ainda não assistiu…

As músicas são, em sua maioria, deliciosas. Por falar nisso, alguém sabia que Kristen Bell tem um Emmy? Na verdade é um prêmio de melhor canção, cujo premiado é o compositor da canção (“Mary Jane/Mary Lane”). Mas é ela que canta no filme. Ou seja, não custa sonhar, né?

A direção de Andy Fickman (que também dirigiu a peça) é correta. Seu momento de maior criatividade é o número inicial, que simula um filme de zumbis. Mas o trabalho de Fickman peca num ponto fundamental: ele não faz questão nenhuma de esconder qual é a origem do filme. A câmera está sempre na platéia, ao invés de passear pelo cenário (comparem com Moulin Rouge e verão a difirença).

Apesar de acabar um pouco depois do que deveria (toda àquela seqüência de redenção de certos personagens deve funcionar muito melhor no teatro do que aqui), Reefer Madness funciona muito bem como sátira e como musical. Ah, a voz de Kristen Bell…

Read Full Post »

Nham Nham

A prova de que Deus existe, by the way. Ou alguém em sã consciência acredita que isso seja coincidência genética?

Read Full Post »